Natura Glamping, onde o saco-cama fica em casa

Ao contrário do Gui, nunca fui uma grande fã de campismo. Acho uma certa piada à envolvência com a mãe natureza e de adormecer debaixo das estrelas mas continuo a preferir a imensidão da minha cama e dos meus lençóis do que o T3 improvisado da Quechua e o saco-cama velhinho do meu pai.

Eu até me considero uma pessoa desenrascada: não sou de ficar em pânico por causa de um bicho estranho, adapto-me bem aos balneários e a casas-de-banho partilhadas (obrigada aos meus pais por me ensinarem a importância de praticar um desporto coletivo) e se é para comer latas de atum com feijão frade ou noodles durante uns dias também não me queixo.

Filipa numa aldeia na Serra da EstrelaFilipa e Guilherme na Serra da EstrelaGuilherme numa aldeia na Serra da Estrela

Mas quem é que gosta de adormecer com frio, porque as camadas de roupa não chegam para fazer frente às baixas temperaturas, e de acordar todo suado e com a sensação de que vai morrer asfixiado se não abrir depressa um dos milhares de fechos das portas daquele cubículo? E vamos lá admitir: (tentar) namorar dentro de uma tenda é do pior que há.

Por isso, quando ouvi falar do Natura Glamping, na Serra da Gardunha, foi música para os meus ouvidos. Sabia que tinha de empurrar o Gui comigo até lá porque, afinal, um bocadinho de “glamour” nunca fez mal a ninguém.

Natura Glamping, Serra da GardunhaNatura Glamping, Serra da GardunhaPanorâmica do Natura Glamping, Serra da Gardunha

A localização é incrível, com uma paisagem igualmente incrível e várias aldeias históricas e bons restaurantes para conhecer durante a estadia. A tenda em si é muito maior do que estávamos à espera: tem dois quartos, o que significa que pode ser uma boa opção para um passeio em família ou para uma escapadela com amigos, e uma casa-de-banho com tudo aquilo a que temos direito.

Adormecer e acordar com aquela vista, no quentinho dos lençóis (e com o ar condicionado ligado), foi simplesmente uma maravilha.

Quarto do Natura Glamping, Serra da GardunhaAldeia na Serra da EstrelaRetrato: Filipa e Guilherme, Serra da Estrela

No regresso a casa, ainda fizemos uma paragem na Serra da Estrela para matar saudades daquele que é um dos lugares da nossa infância e com esperança de ver neve.

Na verdade, fomos só recebidos com um frio de rachar (valeu-nos a simpatia das pessoas nas típicas lojinhas da Torre e as sandes de presunto acompanhadas de um café a escaldar).

Guilherme, Serra da Estrela - TorreSmart Fortwo, Serra da Estrela - TorreFilipa, Serra da Estrela - Torre

2 comments

Submit a comment

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s